Kraftwerk - Os Pais do Techno-Pop



   Os “Kraftwerk” que em português significa “Central Eléctrica”,  foram e, ainda são, um dos grupos mais influentes do rock na sua vertente mais electrónica.. Nascidos no boom do então chamado “Rock Progressivo”, a sua sonoridade combina ritmos repetitivos, melodias simples  conduzidos  por um estilo clássico ocidental harmonioso, minimalista e instrumentação electrónica. Durante a década de 70 e início da década de 80 do século passado, as suas sonoridades foram revolucionárias, influenciando diversos estilos de música moderna.
   
O grupo foi formado em Dusseldorf, em 1970, por Florian Shneider e Ralf Hutter, ambos estudantes na escola Robert Schumann,  onde  se conheceram nos finais da década de 60 enquanto participavam num movimento experimental que incluía arte e música e que ficou conhecida como “Krautrock” (Rock Alemão).  O duo, inicialmente, tocava com um quinteto conhecido como “Organisation” e que lançou o álbum “Tone Float” em 1970, mas rapidamente se separaram,  á excepção de Schneider e Hutter que permaneceram juntos e lançaram os fundamentos de “Kraftwerk”.
   As formações iniciais de Kraftwerk variaram entre 1970 e 1974, já que Hutter e Schneider trabalharam com mais de uma dúzia de músicos diferentes durante a gravação dos três primeiros álbuns e esporádicas aparições para concertos ao vivo; presenças constantes foram as do guitarrista Michel Rother e do baterista Klaus Dinger , que saíram para formar o grupo “Neu!”. O único membro constante em todas as formações foi Florian Schneider, já que Ralf Hutter saiu do grupo durante seis meses, em 1971, para terminar o seu curso de arquitectura.
   Os três primeiros álbuns foram experimentais, livres da disciplina musical que haveria de preencher os seus trabalhos futuros. “Kraftwerk”, foi editado em 1970,  e “Kraftwerk 2”, editado em 1972, eram mais á base de improvisações musicais (ao estilo “Jam sessions”) feitas com instrumentos musicais tradicionais como a guitarra,  baixo, bateria, órgão eléctrico, aos quais juntavam por vezes violino e flauta. Ambos os álbuns eram completamente instrumentais. Nos concertos de 1972 e 1973, apresentavam-se como dueto, usando uma caixa de ritmos simples que substituía a bateria, com ritmos pré-gravados retirados dum órgão eléctrico.  No final de 1973, Wolfgang Flur juntou-se ao grupo nos ensaios e, como trio, gravaram um especial para o canal televisivo alemão ZDF.
   Já com o álbum “Ralf und Florian”, editado em 1973, os Kraftwerk aproximaram-se da sonoridade que os caracterizaria futuramente, apoiando-se mais nos sintetizadores e na caixa de ritmos. Apesar de ser todo instrumental na sua totalidade, este álbum marca a primeira utilização do vocoder (deformador de voz), que viria a ser uma das assinaturas do grupo. O som futurista e robótico do grupo foi influenciado pela revolta energética que alguns artistas de Detroit, como “MC5” ou os” Stooges”,  levaram a cabo nos finais da década de 60.
   
Em 1974 “Autobahn” veio internacionalizar. Ainda não sendo totalmente electrónico, já que flautas, violinos e guitarras ainda são utilizados ao lado dos  sintetizadores, mas começa a aperceber-se uma certa disciplina no som do grupo, orientado numa só direção,  afastando-o do dos álbuns anteriores. O tema-título tem a duração de 22 minutos, é intencionalmente longa pois pretende transmitir a sensação de se viajar numa autoestrada: desde que se liga o automóvel, a concentração na condução para não se ser distraído pela paisagem, ligar o rádio, e a monotonia duma longa viagem. Descreve a A555,  foi a primeira autoestrada construída, entre 1929 e 1932, de Koln até Bona, sem qualquer cruzamento.
   “Autobahn”, cuja capa original mostrava a autoestrada vista do habitáculo dum carro onde se pode ver no tablier o desenho dos membros do grupo, foi pintada pelo artista gráfico Emil Schult que veio a tornar-se um colaborador do grupo em álbuns futuros, foi um enorme sucesso comercial em todo o mundo. O tema que dá nome ao álbum foi editado em single, numa versão reduzida de pouco mais de três minutos para  apresentação ao público. O álbum, editado em novembro de 74, serviu de suporte a uma tournée mundial que levou o grupo, agora transformado num quarteto com a entrada dos percussionistas Wolfgang Flur e Karl Bartos,  pela primeira vez aos Estados Unidos e Canadá onde obtiveram um enorme sucesso.
   
Depois da tournée de 1975, o grupo, revigorado pelo sucesso obtido,  começou a trabalhar no álbum seguinte e ficou decidido que teria um tema central. Emil Schult escreveu as letras e o grupo escreveu a música. Em outubro de 1975 “Radio-Activity” viu a luz do dia. Diferente dos álbuns anteriores onde apenas existiam letras em inglês, o novo álbum apresenta-se como um álbum bilíngue com letras em inglês e alemão e é também considerado um “Concept Albun” graças a algum humor mordaz do próprio grupo (contrastando com a rígida imagem robótica que apresentam), sugerindo no próprio título, que o álbum pode-se dividir em duas partes distintas: uma sobre a radioactividade (implícita no próprio tema-título); a outra sobre a atividade na rádio (suportada, á primeira vista, pelo tema “Radio Stars”, mas que depois se percebe que é sobre outro assunto). Uma vez mais se percebeu que a aposta do grupo era avançar para temas mais pop com ritmos electrónicos á mistura e deixar para trás as experimentações “avant-garde”.
   
Durante quase todo o ano de 1976 o grupo esteve em tournée para promover o novo álbum, cujas vendas, na Grâ-bretanha e no mercado americano, não obtiveram o sucesso que alcançou noutros mercados europeus, o que lhes permitiu ganhar um Disco de Ouro em França. David Bowie, cantor pop, entusiasmado com o som do grupo alemão, convidou-os para fazer as primeiras partes dos seus concertos de promoção ao álbum “Station to Station”, mas, devido a outros compromissos, o grupo teve que recusar. Inovando cada vez mais nas suas actuações ao vivo,  os “Kraftwerk”, após terminarem a tour de apresentação de “Radio-Activity”, fizeram um intervalo nos concertos até final do ano.   Logo no início de 1977, o grupo entrou em estúdio para iniciar a gravação de um novo álbum. Traziam no bolso uma série de temas sugeridos por amigos e familiares, temas que, continuando a via iniciada em “Autobahn”, falassem do “Trans Europe Express”, a série de comboios rápidos que percorriam a europa desde os anos 50; outras sugestões iam da direção de música  que reflectisse o seu próprio estilo musical.
   
Em março de 1977, “Trans-Europe Express” surgia no mercado.  Foi com grande satisfação que se percebeu que o grupo continuava a afastar-se cada vez mais do estilo de improviso que caracterizara o seu começo e cada vez associa um formato melódico e electrónico, bem patente nos dois temas extraídos do álbum e editados em single, “Trans-Europe Express” e “Showroom Dummies”, o primeiro fazia uma generosa referência aos cantores pop Iggy Pop (de quem os elementos do grupo eram fans) e David Bowie, porque este os convidara a actuar nos seus concertos; o segundo, como que a agradecer o Disco de Ouro que o grupo ganhou, foi gravada uma versão em francês intitulada “Les Mannequins”. Original foi também a apresentação do álbum: a editora EMI alugou um comboio com carruagens antigas da década de 30, no qual, durante a viagem, entre Paris e Reims, ao som dos temas do álbum, o grupo fez a sua apresentação aos críticos. Entre o espanto e  a admiração dos críticos, e a recepção positiva nos diversos mercados internacionais,
“Trans-Europe Express” deu continuidade á conceptualidade iniciada com “Radio-Activity”, dividindo-o em temas: um, uma meditação sobre as disparidades entre realidade e imagem, patente em “Showroom Dummies” e “Hall of Mirrors”; o outro, a glorificação da europa, que surgem nos temas “Europe Endless” e “Trans-Europe Express”
O álbum viria a influenciar a música, principalmente no período pós-punk  quando surgiram grupos como “Joy Division”, “New Order”, “Human League”, “Orchestral Manouvers in the Dark”, ou “Depeche Mode”, entre muitos outros, que viriam a marcar a música. Muita da sua sonoridade foi inspirada nos ritmos electrónicos do álbum. Seguiu-se nova tournée com um êxito sem precedentes, apenas comparável ao sucesso que o grupo voltaria a obter com a tournée mundial que faria no início do século XXI.
   
O álbum seguinte do grupo seria o ponto mais alto do grupo em termos discográficos e, por muitos, considerado a sua obra-prima e um dos melhores álbuns da história da música. “The Man-Machine”. Editado em maio de 1978, trazia consigo aquela que ainda hoje é considerada a melhor música de pop-rock electrónico de sempre: ”The Model”, é um tema que, na altura, foi considerado como estando muito á frente do seu tempo, com um ritmo contagiante, totalmente electrónico, com uma letra simples, o tema foi um enorme sucesso e cimentou ainda mais a já grande importância que o grupo já adquirira a nível mundial.
Tal como os álbuns anteriores, “Man-Machine” mantém a mesma divisão conceptual, com temas como “Spacelab”,  “Robots” ou “Man-Machine” dedicados á ficção científica e as ligações entre humanos e a tecnologia; outros como “Neon Lights” ou “Metropolis” , ou mesmo “The Model” falam do  deslumbre da urbanização, alienação e da futilidade da fama e, também, como o seu antecessor, viria a ter um enorme impacto no movimento musical neo-romântico que surgiu na Inglaterra no início da década de 80. Era tempo de nova pausa para o grupo.
   
A pausa iria durar três anos até um novo álbum de Kraftwerk  ver a luz do dia. Aconteceria em maio de 1981, “Computer World” foi editado e, felizmente para os fans, o grupo manteve-se fiel ao seu som. A temática, desta vez, era sobre a ascensão dos computadores dentro da sociedade.  Usando novamente algum humor mordaz  em “Pocket Calculator”, o grupo conseguia um equlibrio quase perfeito entre a utilização desta nova tecnologia (acessível a todos) e o admirável mundo que se abria aos olhos (e ouvidos!) “By pressing down a special key, it plays a little melody…”. Já com o tema que dá título ao álbum, o grupo acentua os perigos dessa tecnologia, ao detalhar algumas organizações presumivelmente todas elas ligadas em rede. Ao fazer uma aproximação ás novas tecnologias, através do uso da interactivade sequencial de todo o seu equipamento, o grupo permitia-se espaço para alguma improvisação e assim fizeram-se á estrada novamente com a “Computer World Tour 1981”, a mais ambiciosa tournée que o grupo alguma vez havia feito, que incluía projecção de slides e filmes, em écrans apostos por detrás das quatro figuras robóticas que eram os músicos, perfeitamente sincronizados com a música e vocalizações minimalistas, executadas com perfeição milimétrica, além da utilização de mini-computadores com os quais executavam os seus temas e a utilização de robots, réplicas perfeitas dos quatro músicos, que tocavam em palco o tema “Robots”. Esta é uma imagem difícil de esquecer a que portugal teve oportunidade de assistir, quando da passagem do grupo Lisboa, em 2004, num Coliseu dos Recreios completamente cheio de público que variava entre os 12 e os 70 anos, naquele que terá sido um dos concertos mais inesquecíveis de sempre.
   Em 1982, o grupo, começou a trabalhar num novo álbum inicialmente intitulado “Technicolor”, mas problemas relacionados com direitos de marca registada, foi renomeado para “Techno Pop”.  Após várias sessões de gravação, as ideias pareciam ter-se esgotado e apenas conseguiram produzir o tema “Tour de France” que seria editado em 1983. Este tema surgiu numa altura em que Ralf Hutter desafiara os seus companheiros de grupo a se dedicarem ao ciclismo como forma de recuperarem do desgaste físico que a tournée de 1981 lhes provocara.
Durante as gravações em estúdio, Ralf Hutter teve um acidente sério de bicicleta durante um passeio com a namorada. Esteve vários dias em coma profundo e pensou-se que nunca mais recuperaria e as gravações  tiveram que ser interrompidas por tempo indeterminado. Ao mesmo tempo as fricções entre os restantes membros da banda  começaram a vir ao de cima e culminaram com a saída de Wolfgang Flur  em 1987.
   
Entre avanços e recuos,  Flur, cujo papel de percussionista  se começara a apagar quando o grupo começou a utilizar sequenciadores, queria sair mas aceitou ainda participar no novo álbum logo que Hutter foi dado como curado, o grupo regravou e misturou os temas que tinham e finalmente fizeram um novo álbum que viu a luz do dia em dezembro de 1986. “Electric Café” assim se intitulou o trabalho. Considerado um trabalho infame pelo tempo que demorou a produzir, percebe-se a falta de inspiração que o grupo sofreu e, excluindos os temas “Technopop” e “Musique Non-Stop” que mostram alguma garra e ritmos adequados, o resto do álbum é um completo vazio de ideias e sem qualquer orientação musical. Ao ouvi-lo, Fica-se com a ideia de que o grupo se deixou apanhar pela música pop e deixou de inovar. O resultado foi que o álbum foi completamente ignorado pela crítica e pelo público que praticamente lhes virou as costas. Como um azar não vem só, o grupo, além de Wolfgang Flur,  viu partir também Karl Bartos em 1991. Apesar de pontualmente substituídos por outros músicos, o grupo iria desaparecer da cena musical durante quase 20 anos, apesar de, em dezembro de 1999,  editarem um tema intitulado “Expo 2000”.
   
Durante os anos em que se retiraram voluntariamente de cena, os Kraftwerk , apesar de algumas aparições esporádicas em festivais, concertos ou eventos especiais, lançaram o álbum “The Mix” (1991) onde apresentaram os seus  (e dos fans) temas favoritos, misturados e com alguns ritmos dançáveis. Foi uma espécie de cartão de apresentação a uma nova geração que estava a nascer, uma geração que só só conheceu o grupo e a sua música nas discotecas e no mercado da música de dança, o que levou a que a sua música fosse considerada e catalogada como “Música de Dança e Novas Tendências!” , que falta de gosto e completa ignorância.
   Em agosto de 2003, após 17 anos de ausência dos estúdios, o grupo,  reformulado, edita “Tour de France – Soundtracks” cuja ideia principal era louvar o ciclismo e para isso, nada melhor do que aproveitar o centésimo aniversário da primeira Volta á França em Bicicleta que aconteceu em 1903. Apesar de terem perdido o “timing” do tour, o lançamento do álbum, causou grandes expectativas entre no mundo da música e estas não foram goradas. 
   
O tema-título era uma nova versão  do tema de 1983, com algumas diferenças a nível sonoro e  de letra, já que a nova versão incluía referências a momentos-chave da prova e, através das novas tecnologias, conseguia reproduzir o poderoso som de ciclistas a pedalar.  Excluindo a repetição do tema no final do álbum, O resto do álbum pouco tem a ver com ciclismo. Hutter and Schneider compuseram algumas peças com temáticas próximas do ciclismo como “Aero Dynamik”, “Titanium”, “Chrono” ou “Vitamin”, Com as duas últimas peças conceptuais a tocaram os dois extremos do grupo: “Chrono” a  mais próxima do som marcante do grupo; enquanto “Vitamin” é aquela que mais se afasta desse mesmo som.
   Mesmo não atingindo a perfeição sonora dos  momentos mais altos da carreira do grupo, “Tour de France – Soundtracks” foi um sucesso enorme e que os encorajou a fazer uma extensa tournée mundial,  que originou o  primeiro e único (até ao momento) álbum ao vivo do grupo que se chamou “Minimum-Maximun” e que seria editado em junho de 2005. Ao longo de 22 temas (ou 23, no caso da edição alemã), o público é confrontado com versões perfeitamente executadas, vibrantes, pelas quatro figuras praticamente imóveis em palco, servidas por uma sucessão de imagens exibidas em écrans tri-dimensionais, perfeitamente sequenciadas, dando a sensação de se estar realmente lá!
Pioneiros do chamado electro-pop, o grupo, ao longo da sua carreira tem sabido brindar o público, novo e antigo, com o que de melhor se utiliza em termos tecnológicos e,  como tal, merecem um lugar á parte no grande universo da música.
  Em Janeiro de 2014, a Academia dos prémios da música, premiou o grupo com um “Grammy”  pela sua carreira.

Nota: as imagens e vídeo que ilustram o texto foram retiradas da Internet




Comentários

Mensagens populares