A Guerra dos Mundos – O Apocalipse de Spielberg



   Em 1898, H.G.Wells, escritor de ficção científica, britânico de renome, publicou o livro “A Guerra dos Mundos”, a sua obra mais famosa. Nele, a Inglaterra Vitoriana é atacada e invadida por extraterrestres vindos do planeta Marte. Este enredo aparentemente simples e banal, transformou-se num enorme sucesso literário para o escritor, ganhou o estatuto de clássico da literatura de ficção científica  e cativou a imaginação da sociedade não só da sociedade do séc.XIX, como também a do século que se seguiu.
   Em 1938,  “A Mercury Theatre on the Air”, uma série dramática que ia para o ar emitida pelo sistema de rede radiofónica de Columbia, adaptou a  “A Guerra do Mundos”. Realizada e narrada pelo então actor e futuro realizador Orson Wells.
Orson Wells adaptou a obra na emissão radiofónica de 1938
   Os primeiros dois terços do programa são preenchidos com boletins noticiosos criados com tal realismo  que fazem  crer aos seus ouvintes que uma invasão marciana estava mesmo a acontecer, transformando aquela noite, de 30 de outubro e, nalguns casos, os dias seguintes, numa situação de verdadeiro pânico. O episódio acabou por ser fundamental na carreira de Wells.
A Guerra dos Mundos, de Byron Haskin, 1953
   1953 viu nascer a versão cinematográfica do clássico de H.G.Wells. Byron Haskin foi o realizador responsável por esta adaptação. O filme situa a acção numa pequena vila na califórnia, onde cai um meteorito que traz dentro de si passageiros nada amistosos. Elevado á categoria de clássico,  o filme apenas toma por base a obra de Wells e segue noutra direcção diferente, conseguindo obter junto do público o sucesso esperado. Mas, á parte do trabalho de Haskin, algumas boas interpretações, foram as naves marcianas que espantaram e convenceram o público. Isto deveu-se ao produtor do filme, George Pal, que  sabia como fazer filmes deste género e era uma força condutora no campo dos efeitos especiais que neste filme foram inovadores e únicos e que acabaram por ganhar o Oscar na respectiva categoria.
O Musica de Jeff Wayne, 1978
A Série de televisão 
   A obra ainda teve mais duas adaptações durante o século XX: a primeira, em 1978, foi uma adaptação musical feita pelo músico Jeff Wayne e que foi um grande sucesso e obrigou o músico e a sua troupe a fazer uma tournée nos Estados Unidos; a segunda, foi para televisão sob a forma de série, entre 1988 e 1990, durante duas temporadas e funcionou como uma espécie de continuação do filme de 1953, quando os marcianos, que aparentemente tinham sido mortos no final do filme, afinal não o tinham sido e estavam apenas numa espécie de vida suspensa, são acordados por um raio laser que destrói a bactéria que os infectara. Não convenceu e a série foi suspensa. Teriam que passar 15 anos até aparecer uma nova adaptação da obra de H.G.Wells.
   Esta adaptação era um projecto há muito tempo acarinhado pelo realizador Steven Spielberg. Desde a década de 80 que o realizador queria fazer a sua adaptação do livro, mas sempre adiado. Já com o filme em pré-produção, Spielberg pediu várias alterações ao argumento da autoria de Josh Friedman,  pois queria que a sua versão, embora respeitando o livro, fosse diferente do filme de 53. O realizador era contra a chegada dos aliens em naves espaciais, já que, na sua opinião, todos os filmes de aliens usam esse tipo de veículo e também não quis incluir a chegada deles em naves marcianas porque assim ficava quase igual ao filme de Byron Haskin. Decidiu então que os “Tripods” já se encontravam na terra e estavam enterrados no solo desde há muito tempo. David Koepp reescreveu o argumento original e, depois de reler a obra, decidiu incluir uma narração em voz-off “Queria alguém que estivesse na periferia dos acontecimentos em vez de envolvido nos próprios”.  Apresentou a ideia ao realizador  que a adorou. Spielberg convidou Morgan Freeman para o efeito e o resultado não podia ser melhor: a voz forte e metálica  do actor deu o mote ao que se vê no écran: um grandioso espectáculo de acção, feito com a mestria de quem sabe marcar a diferença.
   A  “Guerra dos Mundos” encerra uma trilogia que Spielberg dedicou ao tema das visitas de aliens á terra. Enquanto que com os dois primeiros filmes, “Encontros Imediatos do Terceiro Grau” (1977) e “E.T. – O Extraterrestre” (1982), os aliens eram amigáveis e tentavam estabelecer uma comunicação com os terrestres, no terceiro filme, Spielberg tem a oportunidade de explorar a antítese das personagens dos dois filmes anteriores . “Pela primeira vez na minha vida, vou fazer um filme de aliens onde não há amor nem tentativa de comunicação”, disse o realizador.
A Imagem mais forte da obra de Spielberg
   É fácil perceber porque é que Spielberg disse que depois de "A Guerra dos Mundos" não voltaria a realizar mais nenhum filme de ficção científica, é porque depois desta experiência cinematográfica, nada mais a fazer...com este filme, adaptado de um dos livros mais conhecidos da literatura de ficção científica, chegamos, tal como a humanidade no livro, ao fim dos tempos. Recheado de momentos tensos  (a aparição do primeiro Tripod é um desses momentos) e cenas fortes, nomeadamente naquela que será a imagem mais marcante e chocante do filme: a cena em que  Rachel (a jovem promessa cinematográfica Dakota Fanning), está junto a um rio a preparar-se para fazer uma necessidade fisiológica, vê passar um corpo a boiar logo seguido de mais uma série deles e solta um grito aterrorizante.
   O próprio timing de Spielberg,  ao situá-lo numa América pós 11 de Setembro de 2001, apesar de Koepp dizer que tentou escrever o argumento sem se inspirar no trágico acontecimento que abalou o mundo, é difícil não pensar nele quando Ray e os seus filhos fogem da cidade enquanto esta é destruída pelos “Tripods”,  confere ao filme o tom profético anunciado na obra de Wells.
    Impecável no que respeita a aspectos técnicos, onde Spielberg e a sua equipa, são mestres, é no aspecto artístico que vem a grande surpresa: Tom Cruise é Ray Ferrier, um pai separado, com dois filhos adolescentes que mal conhece e que de repente se vê apanhado em acontecimentos apocalípticos. O actor  ligou-se ao projecto desde que trabalhou com o realizador em "O Relatório Minoritário" (2002) e dá-nos uma interpretação arrancada de dentro, convincente (a cena na colina onde Ray tenta impedir Robbie de partir com os soldados para ir combater os aliens, é das cenas mais dramáticas que o actor já nos deu), próximo daquilo que o actor já mostrou que consegue fazer e que faz esquecer outras menos conseguidas; Tim Robbins, é Harlan Ogilvy, um homem á beira a loucura, que se quer vingar das máquinas que lhe destruíram a família. A sua prestação, numa personagem, saída directamente do seu filme anterior "Mystic River" (Clint Eastwood, 2003), no qual ganhou o Oscar de Melhor Actor Secundário, faz arrepiar qualquer um.
   Estreado a 29 de junho de 2005 nos Estados Unidos e a 1 de julho no Reino Unido, o filme foi um sucesso enorme , terminando como o quarto maior êxito de bilheteira de 2005. Nomeado para três Oscares da Academia, apenas em categorias técnicas,  perdeu todas em favor de “King Kong”,  o mamarracho de mais de três horas de Peter Jackson sobre o gorila gigante que, por amor a uma actriz, quase destrói metade de Nova York.
    H.G.Wells  ficaria certamente agradado pela emissão radiofónica que Orson Wells fez na década de 30 do século passado, teria gostado da versão de Byron Haskin na década de 50 do século passado e ficaria orgulhoso da versão de Spielberg que alguém já chamou o último grande filme de ficção científica.

Nota: as imagens e vídeo que ilustram este texto foram retiradas da Internet



Comentários

  1. A Guerra dos Mundos é de facto um daqueles romances que será sempre fruto de novas e variadas inspirações, porque se trata de uma história que consegue vencer as barreiras do tempo... E, disso não se podem gabar todas as obras. Um abraço.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares