Stomu Yamashta – O Projecto Musical “Go”



    Há algum tempo atrás, num artigo que escrevi dedicado ao chamado Rock Progressivo, cujo boom aconteceu em meados da década de 70 do século passado, mencionei o nome de Stomu Yamashta, músico e compositor de origem japonesa que, em meados dessa década gloriosa em termos musicais, veio gravar ao ocidente com músicos europeus uma série de álbuns, a que chamou “projecto Go”, que ainda hoje são considerados como sendo dos expoentes máximos do rock progressivo e a sua mistura com Jazz, Jazz-fusão e Funky.
   
Stomu Yamashta nasceu em Kyoto, no japão. Estudou música na universidade de Kyoto e também nas escolas de música em Juilliard, Nova York e Berklee, em Boston e também deu aulas de música. Percussionista, teclista e compositor, Yamashta foi, desde muito novo, reconhecido internacionalmente pelo seu estilo de percussão inovador e acrobata  que lhe mereceram inúmeros prémios e citações dentro da música. Em 1969 ganhou reconhecimento internacional ao tocar com o maestro Seiji Ozawa (hoje é o diretor da Ópera Estatal de Viena) e com a Orquestra Sinfónica de Chicago. A sua interpretação dos temas foi tão virtuosa e intensa que, no final do concerto, foi aplaudido de pé durante mais de cinco minutos.

    Ao longo da década de 70, continuou a ser muito solicitado, quer no seu país natal, quer fora dele. Trabalhou com Peter Maxwell Davies, compositor e maestro britânico em algumas das sua bandas sonoras para filmes e séries de televisão. Foi nomeado diretor musical da  companhia de teatro  Red Buddha e conseguiu trazê-la até á europa para trabalhar em vários espectáculos de multimedia intitulados “The Man From the East”, com música composta e interpretada por ele e ainda conseguiu colaborar com Morris Pert, percussionista britânico no espectáculo “Come to the Edge”. Compôs temas musicais para a Real Companhia de Ballet Britânica, participou em diversas bandas sonoras de filmes como “The Man who Fell to Earth – O Homem que veio do Espaço” (Nicholas Roeg, 1976) com David Bowie; ou “The Devils” (Ken Russell, 1971) ou ainda “Images” (Robert Altman, 1972).         A meio da década, Yamashta começou a aspirar a vôos ainda mais altos. Desde novo que tinha um gosto especial pelo jazz e foi precisamente nesse género que ele se iria popularizar daí para a frente ao conseguir, na perfeição, fundi-lo com  “funky” e “rock sinfónico” criando um estilo que dali para a frente seria conhecido como  “funky-jazz” ou “jazz-fusão”.
   Em 1976, Stomu Yamashta anunciou a sua vontade de criar música a partir duma enorme variedade de influências, desde música moderna (clássica, entenda-se) a rock, passando pelo jazz e até pela música electrónica,  para isso queria ter consigo um supergrupo musical que lhe permitisse fazer uma espécie de “clássico pop gigante”.

A ideia pegou e tomou forma, pois vieram músicos de todo o mundo: japão, Alemanha, Inglaterra,  américa. A Yamashta, juntaram-se, logo desde o princípio, Steve Winwood (ex-Traffic, ex-Spencer Davis Group e ex-Blind Faith) e Michael Shrieve (The Santana Band) e os três desenvolveram ideias que iriam formar a base daquele projecto musical ainda sem nome mas que seria certamente um álbum conceptual. Queriam fazer a diferença em relação a alguns nomes musicais sonantes: Pink Floyd, Yes, Genesis, Tangerine Dream, Weather Report ou Mike Oldfield, mas na certeza, porém, de que todos eles iriam influenciar de alguma maneira o conteúdo musical do álbum.
   
O jogo que inspirou Stomu Yamashta
Existe no oriente um jogo muito  famoso, oriundo da china antiga há cerca de 2500 anos, chamado “Go” que se joga num tabuleiro, entre dois jogadores. Basicamente a ideia é  rodear com o maior número de peças possível  as zonas do adversário e impedi-lo de fazer o mesmo, antes do final do jogo. É uma espécie de xadrez, com menos regras, mas muito mais antigo e que envolve questões filosóficas e estratégicas entre os dois jogadores e permite um vastíssimo número de possibilidades e jogos.  Stomu Yamashta viu a possibilidade de, através de números musicais abstractos, desenvolver uma história de fantasia e realidade,  morte e re-nascimento, coisas que trocam para os seus opostos.  “Existem mudanças a acontecer, estamos sempre em constante evolução” terá dito o músico aos seus dois companheiros quando lhes apresentou o projecto agora intitulado “Go” .
   
Os "mentores" de "Go"
Com o projecto na mão, os três dedicaram-se a recrutar  outros talentos igualmente interessados em fazer a diferença e não tardaram a encontrá-los: Klaus Schulze (ex-Tangerine Dream e ex-Ash Ra Tempel);  Al DiMeola (ex-Return to Forever); Rosko Gee (ex-Traffic); Pat Thrall (ex-Pat Travers Band); John McLaughlin (Mahavishnu Orchestra, não creditado no álbum apesar de ter tocado em alguns temas e ter ajudado na produção) e outros talentos musicais oriundos de outros géneros mas com igual vontade de fazer parte daquele projecto aliciante. A junção de tantos talentos musicais, requereu alguma perícia na apresentação da ideia e nada melhor do que, em vez de apresentar o material já composto, explicar o que se pretendia fazer.
Antes de começar a trabalhar no estúdio, Stomu Yamashta organizou uma festa durante a qual projectou alguns filmes espaciais da NASA e entre eles apresentou e discutiu as ideias que estavam em cima da mesa, deixando espaço para outras variantes, tendo em conta a qualidade criativa de cada membro envolvido. O entusiasmo foi unânime e a vontade de tocar e gravar aquele material era mais que muita, por isso , sem grandes discussões, o músico japonês e o seu supergrupo entrarem em estúdio em fevereiro de 1976.
   
O álbum, intitulado simplesmente “Go”, foi editado em abril de 1976 e é, no verdadeiro sentido da palavra, um álbum conceptual, cuja fusão de pop-rock  com toques de jazz e elementos clássicos, tudo ligado pelo tema central da viagem espacial.  O conjunto de talentos reunidos contribuem, cada um á sua maneira, sob a batuta conceptual de Yamashta, para o impressionante conteúdo musical do álbum. O assombroso “Crossing the Line” com as suas reminiscências sinfónico-progressivas, dá o mote para a série de temas interligados e contínuos, que passam por “Ghost Machine”, um tema rápido acentuado pela guitarra agressiva de Al DiMeola, o solo ritmado de Pat Thrall e os sintetizadores influentes de Klaus Schulze, também por “Time is Here” um funky cantado alegremente por Steve Winwood  e que têm a sua conclusão no tema “Winner/Loser” a única batida mais pop do álbum, com a letra escrita por Winwood a lembrar os velhos tempos dos Traffic. “Go” é uma espécie de ballet”, disse Stomu Yamashta acerca do álbum.
   
Klaus Schulze a ensaiar
O único problema em explicar a história de “Go” é que, apesar dos temas serem contínuos e interligados, a história só começa no início do lado 2 (nos antigos álbuns de vinil) com o tema “Space Requiem” e prossegue em “Space Song” com  a parafernália de sintetizadores e material electrónico tocada por Stomu Yamashata e Klaus Schulze e são de uma grandeza cósmica tão grande que, se fecharmos os olhos por momentos, parece que estamos a viajar no espaço. A partir daqui a imaginação é o único limite. Todas as leituras são possíveis. Na segunda parte (o lado 1 do vinil  que por esta altura já ouvimos, se seguirmos o normal funcionamento destas coisas!) a história prossegue com  temas mais abstractos que tratam de morte, re-nascimento e, se quisermos, alguma redenção, Percebe-se que a  meio  (lembramos que se trata de temas contínuos), o tom pastoral de “Solitude”  muda  para um ritmo tipo balada para, logo a seguir  mudar para “Air Over” , um tema tipo espacial flutuante tocado em sintetizador, continuando num tom de celebração com “Man of Leo” com ecos de jazz e bossa nova onde se percebe a combinação notável de todos os músicos, com especial destaque para a voz de Steve Winwood e a guitarra de Al DiMeola. O tom celebrativo termina a dar lugar aos sintetizadores de Klaus Schulze e ritmos electónicos, é  o regresso aos temas cósmicos com “Stellar e Space Theme“. E é o fim de um ciclo de “Go”.
Apresentada e concretizada que estava a ideia de Stomu Yamashta, o resultado fora muito além das expectativas de todos aqueles que estavam envolvidos ou não no projecto, faltava agora mostrá-lo ao público
    A apresentação do álbum ao vivo tinha que acontecer por vontade, não só dos músicos, como também do público, sedento de ouvir e ver aquele colectivo de músicos de primeira água e a grande questão era: como é que se comportariam todos juntos em palco?
Uma tournée estava fora de questão pois todos eles tinham agendas preenchidas  com concertos e outras atividades, pelo que quando dois ou três estavam disponíveis, os outros quatro ou cinco não podiam e vice-versa o que tornava toda a logística difícil de coordenar. Finalmente lá se conseguiu reunir, mas apenas para um concerto, a maior parte dos que participaram no álbum, substituindo os que não puderam ou não quiseram, por outros músicos recomendados aos mentores do projecto. Faltava saber onde iria ser feito o concerto. Depois de muitas hipóteses levantadas, a escolha recaiu sobre Paris, em frança, por ser uma cidade culturalmente abrangente.
   
O concerto aconteceu no “Palais  Des Sports” no dia 12 de junho de 1976. Quem lá esteve, garante que foi um acontecimento único. Deste memorável e irrepetível concerto nasceu o álbum “Go Live from Paris”, que seria editado no final do ano.
Rezam as crónicas da altura que Yamashta usou lasers e imagens projectadas enquanto o grupo  em palco  (oito músicos e uma vocalista) se permitia a grandes explorações dos temas e uma maior interactividade entre  Stomu Yamashta, Steve Winwood, Michael Shrieve, Klaus Schulze,  Al Di Meola e Pat Thrall, apoiados pelo baixo de Jerome Rimson, a percussão de Brother James e a voz intensa e profunda de Karen Friedman. Além de que os temas foram, ao contrário do álbum de estúdio, apresentados por ordem por forma a apresentar o tema como uma suíte em dois movimentos. “Windspin” é o primeiro grande momento do concerto. Com cerca de nove minutos e meio de duração, o tema, tocado ao estilo de “Weather Report”, uma odisseia instrumental de jazz-fusão pontuado por surpreendentes riffs de guitarra que davam uma sensação de dramatismo mostrou quão empenhados estavam os músicos no seu trabalho.
   Em termos de intensidade musical, é muito difícil bater os solos de guitarra de Al Di Meola, que acompanham a voz, quase soul, de Steve Winwood em “Ghost Machine”;
“SurfSpin” introduz através de  uma batida funky  o  tema “Time is Here” em que Winwood é acompanhado pela voz expressiva de Karen Friedman e pelo baixo intenso de Jerome Rimson. A espontaneidade do concerto fica provada em  “Winner/Looser”  com todos os músicos a contribuírem definitivamente num tema que contrasta largamente com aqueles que o precederam.
O segundo movimento começa com a rendição de “Air Over”, integrando os temas “Air Voice”, “Nature” e “Solitude” (no álbum “Go”); prosseguindo com “Crossing the Line”, com nove minutos onde a voz emotiva de Winwood serve de mote para um fabuloso e intenso solo de guitarra partilhado entre Al DiMeola e Pat Thrall naquele que terá sido um dos grandes momentos do concerto. Mas ainda haveria mais e logo a seguir com “Man of Leo”, com quinze minutos de duração permitiu aos músicos descontrair tendo como fundo o virtuoso solo de guitarra de DiMeola e improvisações seminais de Michael Shrieve e Jerome Rimson acompanhados pela voz  assombrosa e cristalina de Karen Friedman. O concerto terminaria com uma combinação orquestrada de sintetizadores entre Stomu Yamashta e Klaus Schulze nos temas  “Stellar” e “Space Requiem”.
As críticas ao concerto foram diversificadas na forma e conteúdo, mas unânimes num ponto: apesar de ser um espectáculo da visão musical de Stomu Yamashta, a estrela da noite foi, sem dúvida nenhuma, Steve Winwood com as suas contribuições instrumentais e vocais fizeram do seu regresso aos palcos um verdadeiro triunfo.
   
Satisfeito com o resultado de “Go” e de “Go Live from Paris”, Stomu Yamashta começou a pensar noutro álbum que expandisse ainda mais os horizontes musicais. Steve Winwood, graças ao êxito obtido com o concerto, quis aventurar-se sozinho na música e abandonou o grupo.  Yamashta chamou Jess Roden para substituir  Winwood e fez ainda outros ajustes: Paul Jackson entrou para o lugar de Jerome Rinsom, substituiu Karen Friedman por Linda Lewis; trocou Pat Thrall por Doni Harvey; trouxe um novo teclista, J.Peter Robinson e chamou Paul Buckmaster paa fazer os arranjos finais. Os restantes músicos que vinham do primeiro álbum, regressaram todos.
“Go Too”, assim se chamou o álbum, apareceu em 1977 e foi uma mudança radical no estilo e forma do projecto. É o grande final de magníficas proporções. Um set maravilhoso onde paisagens sonoras, que vão desde o soul ao funky de fusão, constituem um enorme painel cinematográfico sonoro.
    O álbum começa e acaba com duas peças instrumentais, “Prelude”, tocado por Klaus Schulze é uma espécie de tema espacial onde se percebe que o músico, apesar da mudança de direção musical, não perdeu o seu virtuosismo, “Ecliptic”, que fecha o álbum é novamente Schulze no seu melhor, uma sonoridade profunda  com algumas reminiscências  que nos transportam para o início do álbum. Pelo meio, Seen you Before”, um tema que funde jazz com funky  e com um grandioso solo de guitarra de Al Di Meola, segue-se “Madness” um tema totalmente funky que, no final, apresenta o som de ondas do mar e liga diretamente a  “Mysteries of Love”, um tema romântico onde dominam os solos de guitarra sentidos de DiMeola  e as vozes de Linda Lewis e Jess Roden; “Wheels of Fortune” é Jazz puro; “Beauty” é romântico mas muito introspetivo, enquanto “You and Me” mostra um funky alegre  e descomprometido.
    Com o seu projecto “Go” terminado depois de encontrar a sua conclusão lógica neste “Go Too”, Stomu Yamashta regressou ao japão onde continuou a combinar as suas predilecções electrónicas “avant-garde” com o seu estilo “New Age” melódico (há quem o considere um dos percursores deste estilo de música meditativo e relaxante) e esporadicamente grava álbuns.

Nota: as imagens e vídeo que ilustram o texto foram retirados da Internet.











Comentários

Mensagens populares