Expresso da Meia-Noite - Um Filme Maldito!

                                                 
                                                 



    Há filmes que, pelo simples facto de existirem, adquirem uma importância única na história da sétima arte. Em 1978, “Expresso da Meia-Noite” foi um desses filmes.

   Billy Hayes é um jovem turista americano que se encontra de férias na Turquia com a sua namorada. No dia da partida, Billy compra dois quilos de droga para levar para os Estados Unidos para os amigos. Apanhado por uma rusga policial junto ao avião e depois de ser torturado e interrogado pelas autoridades, começa, para Billy, uma verdadeira descida aos infernos , quando as autoridades Turcas resolvem fazer dele um exemplo condenando-o a 30 anos de prisão.
Alan Parker, um realizador maldito

    Realizado por Alan Parker, autor de uma filmografia de temática variada onde se incluem, entre outros, “Bugsy Malone” (1976), sátira aos filmes de gangsters e interpretado por um elenco de jovens prácticamente desconhecidos, entre os quais se incluía uma jovem chamada Jodie Foster; “Fama” (1980), sobre uma escola de artes e os sonhos dos alunos que lá estudam. Novamente com um elenco desconhecido mas o sucesso obtido pelo filme, que daria origem a uma série de televisão, se encarregaria de lançar para a fama; “Pink Floyd, The Wall” (1982), adaptação, quase psicadélica, para o grande écran do fabuloso “concept album” dos Pink Floyd com Bob Geldof no principal papel; "Angel Heart- Nas Portas do Inferno" (1987), história detectivesca com contornos de terror;  “Mississipi em Chamas” (1988), outro filme-denúncia de uma história verídica que gira á volta do desaparecimento de três trabalhadores dos Direitos Civis na América dos anos 60; ou "Evita" (1996) baseado na famosa  peça musical da  Broadway de Tim Rice. 
   Parker filma o interior das prisões turcas com um realismo verdadeiramente impressionante (graças ás descrições que Hayes, que também foi consultor técnico do filme, pôs na obra que escreveu), a  violência, nua e crua, é atroz: desde as torturas a que são sujeitos os prisioneiros, passando pela droga que circula lá dentro como meio dos prisioneiros se alhearem da realidade, pela homosexualidade latente, sem esquecer os “bufos” que tudo fazem para agradar ao chefe, culminando naquilo com que todos sonham: apanhar o “Expresso da Meia-Noite”, que é como quem diz, a fuga; mas o dito Expresso, como diz,a dado momento, Max (fabuloso John Hurt) a Billy, não passa por aquela prisão. 

    Feito de grandes cenas como por exemplo quando Billy, depois de Max ser levado para outra ala da prisão, se atira a Rifki, o bufo, enche-o de pancada e depois arranca-lhe a língua à dentada para, literalmente, o silenciar; ou a cena passada na ala dos lunáticos onde Billy, para não enlouquecer, começa a andar em sentido contrário dos outros, não obstante, alguns o tentarem impedir de contrariar a máquina. “Expresso da Meia-Noite” tem magnificas interpretações de Brad Davis, Randy Quaid, John Hurt , Paul Smith, entre outros que contribuem para a elevada qualidade do filme.

    Baseado numa história verídica, o argumento, escrito por Oliver Stone, antes de se tornar realizador, apesar de alterar algumas partes e acrescentar outras, retrata fielmente as situações por que Hayes passou; desde ter que ir ao para local onde fez a compra da droga para tentar identificar os traficantes , passando pela tentativa de fuga que tenta encetar nessa mesma altura, até ao inferno que passa na prisão turca antes de conseguir fugir para a liberdade. É precisamente a situação que se passava nas prisões turcas que, após a denúncia feita por este filme, foi objecto de investigação por uma comissão de Direitos Humanos enviada pelas Nações Unidas. Após meses de negociações, de muitos recuos e outros tantos avanços, a Turquia cede e entra num processo de troca e libertação de prisioneiros.

   Nomeado para seis Óscares da Academia, incluindo Melhor Filme do Ano e Melhor Realizador, ganhou dois: um pelo argumento e outro pela Banda Sonora de Giorgio Moroder. “Expresso da Meia-Noite” deu a Alan Parker a alcunha de “Realizador Maldito” pela denúncia que o filme faz e tornou-se um dos primeiros filmes a gerar uma enorme controvérsia que, ainda continua presente.

Nota: Todas as imagens e vídeos que ilustram este texto foram retirados da Internet 


Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares